Sérgio Moro determina bloqueio de R$ 220 milhões de Eduardo Cunha

20/10/2016 1:21 AM0 comentários
Sérgio Moro determina bloqueio de R$ 220 milhões de Eduardo Cunha

A Justiça Federal do Paraná decretou a indisponibilidade de bens do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha no montante de R$ 220.677.515,24.

A decisão foi dada pela 6.ª Vara Federal de Curitiba em ação civil de improbidade administrativa movida pela Procuradoria da República, na capital paranaense, contra o peemedebista.

A investigação contra Eduardo Cunha sobre contas na Suíça abastecidas por propinas na Petrobrás estava sob responsabilidade do Supremo Tribunal Federal (STF). Cassado pela Câmara, o peemedebista perdeu o foro privilegiado perante a Corte máxima. Os autos foram deslocados, então, para a 13ª Vara de Curitiba, base da Lava Jato.

Na segunda¬feira, 17, Moro intimou Eduardo Cunha para apresentar sua defesa prévia em ação penal que atribui ao exdeputado US$ 5 milhões nas contas secretas que ele mantinha na Suíça.

A mulher de Eduardo Cunha, Cláudia, também é acusada na Lava Jato. Mais de US$ 1 milhão da propina que o peemedebista teria recebido sobre contrato da Petrobrás no campo petrolífero de Benin, na África, foram gastos por ela em compras de luxo na Europa, segundo os investigadores. Cláudia adquiriu sapatos, bolsas e roupas de grife na França, Itália e em outros países europeus.

Prisão

O presidente cassado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB¬RJ), foi preso nesta quarta-feira, 19, em Brasília.

O ex-deputado foi capturado preventivamente perto do prédio dele, na Asa Sul, em Brasília, por ordem do juiz federal Sérgio Moro.

O magistrado acolheu os argumentos da força-tarefa da Procuradoria da República de que Eduardo Cunha em liberdade representa um ‘risco para a instrução do processo e para a ordem pública’. A ordem do juiz foi dada nesta terça¬feira, 18. A prisão foi decretada no âmbito da Operação Lava Jato, informou a Polícia Federal.

O ex-deputado será levado para Curitiba, base da Lava Jato, até o final da tarde. Por volta das 13h40, Eduardo Cunha foi levado para o hangar da Polícia Federal, em Brasília, para embarque a capital paranaense.

Segundo a PF, a previsão de chegada do ex¬deputado a Curitiba é 16h.

Do Estadão de São Paulo

Flávio Dino corta R$ 100 milhões de Educação, Cultura, Turismo e Esportes

12:35 AM0 comentários
Flávio Dino corta R$ 100 milhões de Educação, Cultura, Turismo e Esportes

O governo Flávio Dino (PCdoB) sugeriu uma série de cortes no orçamento da Educação, da Cultura eTurismo e dos Esportes para 2017. No total, a redução de investimentos nessas áreas, juntas, chega a quase R$ 100 milhões.

Os dados constam da Proposta de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2017, encaminhada à Assembleia Legislativa.

Se ela for aprovada pelos deputados exatamente como quer o governo, o corte na Cultura e Turismo, por exemplo, será de mais de R$ 12 milhões, assim discriminados: o orçamento da Cultura para 2016 foi de R$ 76,8 milhões, e de R$ 6,2 milhões para o Turismo, perfazendo um total de R$ 83 milhões.

Mas as duas pastas foram fundidas, criando-se a Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), que em 2017 terá R$ 70,9 milhões.

Na Educação a redução é ainda maior: R$ 67 milhões. O orçamento da Seduc cai de 2,074 bilhões para 2,007 bi.

E no Esporte, corte de R$ 44,9 milhões para R$ 27,2 milhões – R$ 17,7 milhões a menos. Nesse caso, o orçamento de 2017 é menor até que o de 2015, que havia sido fixado em R$ 27,9 milhões.

Total de cortes nas três pastas: mais de R$ 96 milhões…

                                                                     Executado 2015  /  Lei 2016  /  PLOA 2017

captura-de-tela-2016-10-18-as-22-47-36captura-de-tela-2016-10-18-as-22-47-50

Por outro lado

A Secretaria de Governo, criada neste ano e comandada pelo advogado Antônio Nunes, amigo pessoal do governador, terá à disposição, segundo a PLOA 2017, orçamento de R$ 61.626.740.

A pasta, basicamente, paga diárias a Flávio Dino, a servidores e aluga aviões para o comunista.

Governo Flávio Dino e Ducol são acusados de superfaturamento de obras pela CGU

18/10/2016 3:02 PM0 comentários
Governo Flávio Dino e Ducol são acusados de superfaturamento de obras pela CGU

Uma bomba envolvendo o Governo Flávio Dino, por meio da Secretaria Estadual de Infraestrutura (SINFRA), e a empresa Ducol Engenharia foi revelada em relatório feito pela Controladoria-Geral da União (CGU).

Segundo a CGU, ocorreu superfaturamento por quantidade, que ocorre quando é feito pagamento por serviços mais caros do que os efetivamente realizados e por quantidade maior que a realmente utilizada, em obras da Secretaria Estadual de Infraestrutura (SINFRA) no valor de R$ 839.579,35.

O superfaturamento foi identificado durante fiscalização feita entre os dias 14 de março e 8 de abril de 2016 e avaliou o montante de R$ 40.799.68,20 milhões.

Conforme o documento da CGU, que foi revelado com exclusividade pelo Blog do Neto Ferreira, o contrato assinado entre o Estado do Maranhão, por intermédio da Secretaria de Infraestrutura, e a empresa Ducol Engenharia Ltda em 20 de setembro de 2013, que tem como objetivo a duplicação da Rodovia MA-203, Av. de acesso à Orla Marítima – 1ª etapa / Av. dos Holandeses, entre os municípios de São José de Ribamar e Paço do Lumiar, com extensão de 3 km, no valor de R$ 29.686.508,43 milhões, está cheia de irregularidades e bastante atrasada.

“Com base nos exames realizados, conclui-se que a obra está bastante atrasada, considerando que era para ser concluída em setembro de 2014 e em abril de 2016 estava com um percentual de realização de 68,3%.”, afirmam os auditores da União.

Trincas longitudinais, afundamentos da pista e formação de crateras foram algumas das falhas identificadas, além da super estimativas de quantitativos e superfaturamento por quantidade, em montante de R$ 839.579,35 mil.

sinfra3

sinfra

sinfra1